Entre eles estão a dificuldade para largar a mamadeira, hipersensibilidade à textura ou temperatura dos alimentos e guardar alimentos no bolso

O diagnóstico precoce do autismo é a melhor forma de garantir qualidade de vida para as crianças que têm o transtorno. Por causa disso, pesquisadores buscam compreender sinais que podem ajudar pais e médicos a reconhecer o problema desde cedo. Novo estudo, por exemplo, descobriu que comportamentos alimentares atípicos são sinais de que a criança pode ser autista.

Entre os hábitos estão: dificuldade para largar a mamadeira, hipersensibilidade à textura ou temperatura dos alimentos, recusa em aceitar mudanças na dieta, guardar alimentos no bolso em vez de comer e preferências alimentares limitadas. Segundo a pesquisa, publicada no periódico Research in Autism Spectrum Disorders, 70% das crianças dentro do Transtorno do Espectro Autista (TEA) apresentam esses comportamentos – número 15 vezes mais alto em comparação com crianças que não têm autismo.

“Nós vemos crianças que continuam a comer comida para bebê ou que não experimentam texturas diferentes. Uma vez eu tratei uma criança que não ingeria nada além de bacon e chá gelado. Algumas delas sequer conseguem fazer a transição da mamadeira”, comentou Keith Williams, do Hospital Infantil do Estado da Pensilvânia, nos Estados Unidos, em comunicado. 

O especialista ainda explicou que, apesar de muitas crianças pequenas recusarem alimentos novos, o comportamento daquelas que têm autismo é mais severo. Isso porque elas geralmente permanecem sendo extremamente seletivas com a comida enquanto outras crianças lentamente aceitam a adição de novos alimentos.

Por causa disso, os pesquisadores recomendam que os pais levem os filhos ao pediatra caso notem esses comportamentos; assim, pode-se realizar os exames necessários para diagnosticar a condição. A equipe ainda destacou que esses sinais podem aparecer a partir do primeiro ano de vida.

Alimentação atípica

Para chegar a essas descobertas, os pesquisadores analisaram o comportamento alimentar de 2.000 crianças. Parte dos participantes já havia sido diagnosticado com autismo, transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) ou outros transtornos de desenvolvimento, enquanto alguns foram caracterizados com “típicos”, ou seja, sem qualquer condição neurológica.

A equipe notou que todas as crianças com diagnóstico mostraram algum comportamento alimentar incomum; no entanto, apenas as autistas apresentaram uma combinação de dois ou mais. De acordo com os cientistas, a maioria das crianças autistas mantêm uma dieta restritiva que consiste principalmente de produtos de grão, como macarrão e pão, e nuggets de frango. Isso acontece porque elas sofrem com hipersensibilidades sensoriais (textura, sabor e temperatura) e não gostam de mudanças. Além disso, é comum que elas prefiram alimentos da mesma marca, cor ou forma. 

“O estudo forneceu mais evidências de que esses comportamentos alimentares incomuns são a regra e não a exceção para crianças com autismo“, disse Williams.

diagnóstico precoce do autismo permite que a criança inicie o tratamento com um analista de comportamento. O acompanhamento especializado ajuda a melhor hábitos e comportamentos do autista, incluindo aceitar algumas mudanças na alimentação para que seja possível manter uma dieta saudável. Estudos anteriores indicam que essas intervenções costumam ser mais eficazes quando implementadas durante os anos pré-escolares (antes dos 5 anos de idade).


0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *